PROTEÇÃO AMBIENTAL – Prefeito de Alto Paraíso busca criação do Parque Municipal das Cataratas dos Couros.

Em audiência com presidente substituto do INCRA, em Brasília, Martinho Mendes expôs danos ambientais que vem sofrendo o atrativo turístico, e a necessidade de medidas que beneficiem famílias dos assentamentos Ezuza e Silvio Rodrigues.

Roberto Naborfazan

Um dos mais belos atrativos turísticos na região da Chapada dos Veadeiros, as Cataratas dos Couros é localizada na margem esquerda do Rio dos Couros, onde está o assentamento Ezuza.

Acampamentos, fogueiras e lixos estão provocando danos ambientais nas Cataratas dos Couros.

Muito frequentada por turistas de várias partes do Brasil e do mundo, as Cataratas enfrentam um forte processo de degradação, principalmente pela falta de consciência dos visitantes e também pela falta de fiscalização. Os acidentes, inclusive com vítimas fatais, estão se tornando frequentes. Isso ocorre devido os visitantes não contratarem guias credenciados, e também por não haver gerenciamento por parte dos poderes públicos.

A proibição de acampar e acender fogueiras, e a recomendação de que o visitante leve de volta o seu lixo não tem sido respeitado, provocando danos ambientais gravíssimos na área de preservação.

Ciente desses danos, o prefeito de Alto Paraíso de Goiás, Martinho Mendes da Silva, solicitou e foi atendido em audiência com o presidente substituto do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA), Francisco José Nascimento, onde expôs a necessidade de medidas imediatas que gerem proteção aquela área no município.

Martinho Mendes e comitiva com autoridades do INCRA em Brasília.

Martinho Mendes solicitou apoio para que ali seja criado o Parque Municipal das Cataratas dos Couros, que terá estrutura de proteção ao meio ambiente, fiscalização e orientação aos visitantes, além de fonte de geração de renda.

A criação do Parque Municipal beneficiará os moradores da região, promovendo erradicação da pobreza, água limpa e saneamento básico, emprego e crescimento econômico, consumo e produção responsável, combate as alterações climáticas, além de atuar dentro dos 17 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, já que Alto Paraíso foi escolhida para ser modelo de cidade sustentável para o Brasil e o mundo. Acima de tudo, permitirá maior vigilância, coibindo as infrações citadas.

Presentes na audiência, o diretor de obtenção de terras e implantação de projetos de assentamentos, Clóvis Figueiredo Cardoso e o auditor agrário nacional, Jorge Tadeu Jatobá, receberam do prefeito de Alto Paraíso, Martinho Mendes, pedido de apoio para recuperação de estradas, pontes e abastecimento de água para cem famílias moradoras do assentamento Silvio Rodrigues.

Martinho Mendes argumentou que a prefeitura realizou no primeiro semestre deste ano a recuperação de 86 km de estradas vicinais, a abertura de duas serras e o conserto de várias pontes na região dos assentamentos com recursos do município, mas que restam 45 km e outras pontes a serem recuperadas, além da necessidade de três mil metros de canos e conexões para levar água tratada para essas famílias que padecem há décadas com a falta desse bem essencial, principalmente no período de seca, entre os meses de junho e outubro.

A criação do Parque Municipal das Cataratas dos Couros foi muito bem aceita pelas autoridades, que encamparam a ideia e irão buscar meios para sua implantação em parceria com o município de alto Paraíso de Goiás. Também serão buscadas, segundo o presidente substituto do INCRA, medidas orçamentárias para a instalação de água tratada nas residências dos assentados e a recuperação de estradas e pontes.

Acompanharam o prefeito na audiência o vice-prefeito Marlon Bandeira, o presidente da Câmara de vereadores, Marlony Bernardes e o vereador Tito.

 

 

Um comentário em “PROTEÇÃO AMBIENTAL – Prefeito de Alto Paraíso busca criação do Parque Municipal das Cataratas dos Couros.

  • 30 de julho de 2017 em 14:05
    Permalink

    É triste ver o lixo e pessoas tratando lugar como esgoto, infelizmente… Penso que é necessário olhar também a nascente desse rio, alí o problema é ainda maior…

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *